[Entrevista] Conheça a história da Estilar Imóveis!

A Estilar Imóveis foi fundada, oficialmente, em 2014, mas tem uma história bem mais longa. Surgiu da vontade e empenho de dois primos, Junior Silva e Fabiano Neves, de crescer e empreender, de ir além e conquistar novas oportunidades.

Hoje você conhece um pouco mais dessa história, entende como a Estilar Imóveis surgiu e quem são os protagonistas desse sucesso em uma entrevista exclusiva. Confira!

Quem são os fundadores da Estilar Imóveis?

JuniorJunior – Eu venho de uma família humilde, fui criado no bairro Boqueirão, em Curitiba, e estudei em colégios públicos da região. Apesar da pouca instrução, meus pais e meu avô sempre me ensinaram que eu deveria procurar ter o meu próprio negócio e por conta dessas influências desde cedo desenvolvi uma veia empreendedora.

Na escola eu era um péssimo aluno. Nunca tive dificuldade com notas, mas era uma criança hiperativa e na época não existia tratamento para isso o que me levou a ser expulso do colégio duas vezes. Terminei meu ensino médio com um supletivo. Já na faculdade, estudei Administração, Comércio Exterior e Contabilidade, mas acabei não concluindo nenhum curso.

Meu primeiro emprego foi como office boy ganhando R$ 230,00 por mês em uma administradora de condomínios, onde eu aprendi muito sobre a área administrativa. Depois, mesmo subindo de cargo, fui procurar outras oportunidades, pois minha vontade mesmo era atuar com vendas.

Passei por muitas empresas, fiz muita coisa diferente. Uma delas foi numa construtora onde eu fiquei por quatro anos. Entrei como telefonista e cheguei a gerente financeiro. Saí de lá para trabalhar como representante de vendas em uma empresa de telefonia que foi uma verdadeira escola de vendas. Depois saí de lá para fazer a Estilar acontecer.

FabianoFabiano – Eu venho de uma família humilde e queria trabalhar para ajudar minha mãe a ter melhores condições. Fui trabalhar em marcenaria e como auxiliar de pedreiro e acabei indo para a área industrial porque falavam que dava dinheiro. Não era o que eu queria, mas na época eu procurava uma solução instantânea e esse setor me proporcionava isso.

Então me especializei como técnico industrial e fui bem-sucedido, mas eu queria a área comercial. Eu não aceitava que não poderia crescer mais, porque cheguei ao topo da profissão e pensava “agora vou ter que matar o dono da indústria para ficar no lugar dele?”. Eu não estava aceitando aquela realidade e fui buscar outras oportunidades.

Eu tive uma experiência de uns seis meses como corretor, que era o que queria mesmo, mas não é uma área que dá retorno imediato e eu precisava disso na época. Então voltei para área industrial para levantar recursos. Depois, por uma indicação do Junior, fui trabalhar em uma empresa de telefonia onde fazia vendas corporativas.

Acabei indo trabalhar em uma imobiliária, onde fiquei por uns dois anos e meio. Saí de lá para abrir minha primeira imobiliária, que acabou não dando certo. Foi uma experiência curta, mas muito boa sendo meu primeiro contato como empresário, como dono do próprio negócio.

Como a Estilar Imóveis nasceu?

Junior – Eu sempre tive essa ideia de ter o meu próprio negócio, por influência da família e da minha própria personalidade, martelando na cabeça. Nunca estive 100% satisfeito trabalhando para os outros, não porque queria ser o patrão, mas pela vontade de evoluir por conta própria.

Minha primeira tentativa de montar um negócio foi vendendo box para banheiro, que até dava certo, mas meu montador me deixou na mão e perdi muitos clientes por causa disso. Mais tarde, já como Fabiano, planejamos abrir uma empresa de ferragens e derivados de alumínio em Palhoça, Santa Catarina.

Tínhamos visto barracão para alugar, apartamento para morar lá e tudo, mas acabamos desistindo da ideia e o surgimento da Estilar veio em seguida, dando continuação a um negócio que o Fabiano já tinha iniciado.

ESTILAR SJP 2018

Fabiano – Então, depois dessa tentativa de montar uma empresa que não deu certo eu decidi continuar na área, mas não queria ir trabalhar em outra imobiliária. Eu já sabia fazer o trabalho e conseguia me virar sozinho, então continuei por conta própria. E como eu já tinha muitos relacionamentos comerciais na região, consegui uma sala de 35m² onde trabalhar.

A sala não tinha nada, sem pintura, bem crua mesmo. Consegui comprar uma mesa com algum recurso que eu tinha juntado e depois de um tempo dois corretores que tinham sido meus colegas vieram trabalhar junto comigo. Acho que eles me viam como um porto seguro naquela época e o negócio estava andando, mas ainda com a sensação de que faltava alguma coisa.

Eu percebi que a corretagem é um negócio pesado, que precisa de outros setores por trás para dar apoio. Um marketing, um administrativo, um correspondente bancário. Foi quando eu chamei o Junior para ser meu sócio. Batalhamos naquela salinha por uns oito meses. Tínhamos que escolher entre comprar tinta para pintar a parede ou papel para a impressora.

Até que surgiu um ponto comercial de grande visibilidade na Av. Rui Barbosa, próximo ao Shopping São José. Foi uma batalha, mas conseguimos adquirir o ponto que até hoje abriga a Matriz da Estilar Imóveis.

Quais foram as maiores dificuldades?

Junior – A maior dificuldade foi começar. Claro que o grande impeditivo sempre é financeiro, não importa o tamanho do negócio, é sempre o financeiro que estabelece os limites. Pessoas também são uma dificuldade, montar uma equipe bem estruturada. Outra grande barreira que nós tivemos que superar foi a abertura do mercado. Nós entramos em um mercado pequeno e tradicional. Tivemos que trabalhar bastante para criar novas oportunidades para nós mesmos.

Apesar de tudo isso, nunca pensamos em desistir, nunca pensamos que não iria dar certo. Todo dia eu acho que vai dar errado, mas eu só penso isso por 10 segundos, depois eu mudo para “não, vai ter que dar certo” e “o que eu posso fazer para dar certo?”.

Tem uma frase que eu gosto muito e carrego comigo que é “sucesso não é questão de sorte”. Eu não acredito em sorte. Quanto mais eu trabalho, mais sorte eu tenho. O Fabiano pensa assim também e foi assim que superamos todos os problemas e trouxemos a Estilar até onde ela está hoje.

“Sucesso não é uma questão de sorte!”

Fabiano – A maior dificuldade é lidar com pessoas. Nós trabalhamos em um negócio em que o valor agregado é muito alto, então você precisa demonstrar credibilidade, profissionalismo, e ter uma equipe coesa é um desafio. A rotatividade no ramo é muito alta e eu vejo isso como um grande problema.

Nós também somos mediadores entre construtores, o banco e o cliente, mas não importa o que aconteça é a imobiliária que responde. A concorrência é desleal. Há pessoas que poluem o mercado e nosso órgão regulador não ajuda nisso, na verdade, nós pagamos para sermos fiscalizados sem nenhum benefício em troca. É um ramo difícil.

Qual foi o momento mais marcante da história da Estilar?

Junior – Foi ter chegado até aqui. Eu sei que 85% das empresas fecha nos primeiros dois anos e 95% fecha nos primeiros cinco anos. Nós já estamos ultrapassando a marca dos cinco anos e não vamos fechar. Então, deu certo.

Algo muito bacana no sucesso da Estilar é ver como nosso modelo de negócio é copiado. Hoje tem pelo menos cinco ex-funcionários, corretores que trabalharam conosco, que aprenderam nosso método e hoje são donos das próprias imobiliárias ou gerentes de imobiliárias. Então a gente percebe que hoje a Estilar é referência de alguma coisa e isso é uma grande conquista.

Fabiano – Certamente foi a conquista do ponto comercial onde hoje é a nossa matriz. Foi uma luta conseguir aquele ponto e tivemos algumas dificuldades, mas superamos e estamos lá até hoje.

Esse é um grande marco para mim porque foi quando deixamos de lado a ideia de vender para ganhar dinheiro e passamos a ser uma empresa de verdade. Passamos a ter estrutura, objetivos mais concretos e principalmente visibilidade e credibilidade, que é muito importante nesse negócio. Eu nem imaginava a proporção que esse projeto tomaria.

Quais são os planos para o futuro?

Junior – O plano é sempre crescer. Queremos chegar a ter pelo menos seis lojas em Curitiba e Região Metropolitana. Depois expandir para outras cidades, como Ponta Grossa e Londrina que estão crescendo bastante. Também pensamos em criar a Esticorp, uma incorporadora, e a Esticon, uma construtora e, quem sabe, expandir ainda mais até para outros segmentos.

Por que não criar um grupo econômico com um sistema de franquias? Oferecendo toda expertise da Estilar para que nossos corretores se tornem nossos sócios e possamos fazer uma história de sucesso juntos. Esse é o plano.

#10yearschallenge

Fabiano – O plano é expandir. Um deles está sendo a filial Curitiba, o desafio de administrar duas empresas. Nosso objetivo é conseguir atingir o mercado aqui da mesma forma que atingimos em São José dos Pinhais. Esse é um plano que já está dando certo, já estamos fazendo negócios e agora é uma questão de tempo para tudo se ajeitar.

Depois, a ideia é fechar o ciclo na região que já conhecemos com mais uma filial na Fazenda Rio Grande. Nós já fazemos muitos negócios por lá, então seria interessante termos uma presença por lá também. E tudo é aprendizado. Curitiba está sendo um aprendizado e vamos levar essa experiência para os próximos passos da Estilar.